Obras paralisadas do Minha Casa Minha Vida serão retomadas

O documento para a retomada das obras foi assinado pelo ministro das Cidades, Bruno Araújo, nesta quinta-feira (24). Ao todo 7.127 unidades habitacionais cuja construção estava paralisada voltam a ser construídas.
Os imóveis paralisados fazem parte da Faixa 1 do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV). A paralisação representa um grande prejuízo de recursos particulares e públicos. Dessa forma é possível criar empregos, ativar a economia e tornar o sonho da casa própria próximo da realidade.
O presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, se posicionou em relação a medida tomada pelo ministério: “Estamos reunidos em uma agenda positiva. São ações conjuntas entre Ministério das Cidades, governo federal e Caixa para que até fevereiro de 2017 possamos retomar as obras paralisadas”.
As construções retomadas vão representar investimentos que giram em torno de R$ 257,4 milhões e devem vão beneficiar mais de 30 mil pessoas. O ministro Bruno Araújo destaca o empenho do Ministério das Cidades em garantir mais um compromisso com a sociedade brasileira.
Ao todo, as obras serão retomadas em nove estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Pará, Acre, Alagoas, Amazonas, Pernambuco, Paraná e Rio Grande do Sul. Os trabalhos serão executados por meio de recursos oriundos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR).
Para 2017, Araújo informou que orçamento destinado a habitação vai receber

investimentos de R$ 7 bilhões, provenientes do FGTS – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço para novas contratações. Também fixou uma meta de contratação de 600 mil unidades.
Nova faixa
Em outubro, o governo aprovou a criação de uma nova faixa, a 1.5, voltada para famílias que possuem renda mensal bruta de até R$ 2.350. A elas serão concedidas o benefício do desconto que pode chegar a até R$ 45 mil para imóveis novos. Serão levados em conta o rendimento da família, a localização do imóvel adquirido e outros fatores.
Também será concedido os juros de 5% ao ano, nos financiamentos realizados a partir dos recursos do Fundo de Garantia. A meta do governo para novos contratos é de 40 mil unidades habitacionais em todo o Brasil, as quais serão limitadas a 500 moradias por empreendimento.
Outra medida interessante diz respeito ao ingresso dos militares no Programa Minha Casa Minha Vida. A iniciativa é fruto de um acordo entre o Ministério das Cidades e o Ministério das Forças Armadas e irá beneficiar mais de 75 mil famílias de militares da Marinha. Agora, os militares poderão financiar a casa sem grandes entraves que ocorrem atualmente, por conta da renda e condições.

Segunda aplicação do Enem 2016 revela fatores inusitados

No primeiro fim de semana de dezembro (03 e 04), ocorreu a segunda edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016.

 

Todos os candidatos que não puderam realizar o exame na data convencional – por conta das ocupações – tiveram a oportunidade de testar seus conhecimentos acadêmicos através das provas que tiveram início, rigorosamente, às 13h30 – com o fechamento dos portões acontecendo pontualmente às 13h ou às 12h, dependendo do fuso horário de cada região. A segunda edição contou com cerca de 277 mil inscritos e ocorreu em 23 estados.
Como habitualmente, as provas foram divididas em 2 dias, sendo o primeiro sobre Ciências Humanas e Ciências da Natureza, e o segundo abrangendo Linguagens, Matemática e Redação.

O Enem ocorreu em 148 localidades distribuídas entre os 165 municípios selecionados, sendo que nos estados do Acre, Amapá, Amazonas e Roraima, o Enem adiado não foi aplicado. O maior número de candidatos concentrava-se principalmente em Belo Horizonte (MG), seguindo Brasília, Curitiba (PR), Feira de Santana (BA), Niterói (RJ), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), São José dos Pinhais (PR), Serra (ES) e Uberlândia (MG), respectivamente.
Segundo dados fornecidos ao G1, marcando cerca de 24 horas antes do exame, 93.032 dos inscritos ainda não haviam acesso o portal do Enem para visualizar o local em que iriam realizar a prova.
Pra não faltar com o anual show de coisas inusitadas pré e pós Enem, este ano, em Minas Gerais, um grupo de pessoas estava distribuindo “abraços grátis” para os participantes do processo. Com o cartaz de “free hugs”, os bom-samaritanos vendiam canetas pretas ao valor de R$5,00. No que diz respeito ao teste, a surpresa foi a presença de ‘poucos cálculos’ na prova. Quem já realizou o Enem, sabe que, por ser muito extensa e conter longos e detalhados enunciados, o teste acaba por ser mais cansativo que difícil. Neste aspecto, a leveza em relação aos cálculos foi extremamente valiosa para quem realizou a segunda edição do exame.
O que também chamou a atenção para a edição tardia, foi a temática da redação: caminhos de combate ao racismo. O tema foi recebido com calor pelos candidatos que, em declarações, destacaram a importância de que seja falado que o Brasil é sim um país racista apesar da fama de ‘país de todos’. Os comentários mais coerentes, giravam em torno de que pontuar que o racismo existe é o primeiro passo para combatê-lo.
Os gabaritos da segunda aplicação já estão disponíveis para quem deseja verificar com antecedência seu desempenho na prova.

Mais informações sobre todo o processo Enem 2016 em: http://glo.bo/2fhNR6C

Roberto Santiago, o homem que transformou lazer em sucesso

Ao se pensar em homens de sucesso, podemos de lembrar de vários, mas entre esses um empresário paraibano se destaca, este é Roberto Santiago, dono dos dois maiores centros comerciais da Paraíba, o Manaira Shopping e do Mangabeira Shopping. Conheçamos um pouco do investimento em lazer e na arquitetura que tornaram o empresário um grande nome dos negócios.

O seu maior shopping

Fruto da mente visionária do empresário Roberto Santiago, o centro comercial Manaira Shopping, localizado estrategicamente entre o centro e as praias da capital Paraibana, o shopping foi inaugurado em 1989, tendo passado em sua história por quatro grandes ampliações e inauguração de áreas diferenciadas, entre essas áreas destaca-se a casa de shows e eventos Domus Hall.
O centro comercial veio a se tornar o maior da região desde a época de sua inauguração até os dias de hoje, sendo o maior ponto de encontro, opção de lazer e diversão. Tendo espaço para toda a família e pessoas de todas as idades, com amplas praças de alimentação, cinema, sala de jogos e mais de 300 lojas dos mais variados tipos e produtos.

Investimento em lazer

Sabiamente o empresário Roberto Santiago aplicou seus investimentos e esforços em lazer para a região, trazendo não apenas dois grandes shoppings em pontos bem localizados, como também tornou a possibilidade de negócio em algo produtivo também para o prazer pessoal da população. Um dos grandes exemplos de tal, é o Domus Hall, uma grande cada de shows anexada ao Manaira Shopping de forma inteligentemente espetacular. A casa de shows e eventos abriga desde aniversários à grandes eventos musicais, shows de grandes artistas, trazendo grande movimentação à cidade.

O homem que escapa da crise

Apesar do país viver a atual crise e recessos, os shoppings de Roberto Santiago não foram afetados, muito pelo contrário. Graças À visão empreendedora do empresário, em alocar várias áreas de diferentes usos e a constante inovação e movimentação através de eventos, os shoppings de Santiago continuam a crescer e mantêm uma movimentação de público invejável até mesmo para outros grandes centros comerciais. Faculdade, academia e casa de shows dentro do espaço do shopping são a prova da capacidade multifuncional do espaço do qual Santiago é dono. Os investimentos do empresário não poderiam ter sido mais assertivos, e o retorno sendo cada vez maior.

Ao criar os seus centros comerciais na Paraíba o empresário Roberto Santiago trouxe não apenas uma fonte de lazer, diversão e passeio, mas também permitiu o desenvolvimento para o comercio e mercado de trabalho, elevando também o potencial turístico na região, graças à versatilidade nos espaços que foram por ele criados.

2016 leva um imortal: adeus, Ferreira Gullar

Aos 86 anos, se despede de nós um dos maiores autores brasileiros do século XX. Poeta, escritor e teatrólogo, José Ribamar Ferreira, de pseudônimo Ferreira Gullar, foi eleito imortal da Academia Brasileira de Letras no ano de 2014.

Nascido no dia 10 de setembro de 1930, na cidade de São Luis, no Maranhão, o escritor participou da formação do pós-modernismo no Maranhão. Já no Rio de Janeiro, participou do movimento pós-concreto da poesia, escrevendo poemas em placas de madeira, sendo considerado inovador no meio artístico.

Ferreira Gullar faleceu neste dia 4 de dezembro, no Hospital Copa D’Or, na zona sul do Rio de Janeiro, cidade que ele elegeu como sua e aprendeu a amar. O poeta passava por problemas pulmonares, tendo desenvolvido pneumonia, mas a exata causa da morte não foi divulgada, à pedido de sua família.

O grande trabalho neoconcreto do poeta tem o nome de “poema enterrado”. Tratava-se de uma sala, que ficava no subsolo do espaço de exposição. Após descer a escada, quem chegasse no local enxergava um cubo vermelho, no qual estavam contidos um cubo verde e, dentro desse, um outro cubo branco. Neste último, contida a palavra “rejuvenesça”.

Diversas personalidades artísticas e política do meio brasileiro expõem suas últimas homenagens ao escritor. O presidente da Academia Maranhense de Letras, Benedito Buzar, disse que a morte Ferreira Gullar acaba enfraquecendo a literatura brasileira e maranhense. O presidente Michel Temer definiu como “um vazio” o que o poeta deixará na literatura brasileira. Já o ex-presidente José Sarney, em luto, afirma que perdeu, mais do que um escritor, um amigo.

Em vida, já foi reconhecido diversas vezes, como pelo Prêmio Camões, em 2010, o Prêmio Jabuti, em 2011, e o título de Doutor Honoris causa na Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Foi também indicado ao Prêmio Nobel de Literatura em 2007, no qual acabou não sendo agraciado.

O artista explicava que escolheu o nome Gullar “porque existem muitos Ribamar (sobrenome do seu pai, de batismo) no Maranhão. Assim, pegou o sobrenome de sua mãe, Goulart, e abrasileirou, porque o Goulart de sua mãe é o francês, e, afinal, “é um nome inventado. Como a vida é inventada, eu inventei o meu nome”.

Pois todos perdemos um pouco sem as suas invenções, Ferreira Gullar.

Mais informações podem ser encontradas em seu perfil no site da ABL: http://bit.ly/2fWbLrZ