Número recorde de pessoas foi ao Palácio Imperial no aniversário do imperador japonês

Depois de ter anunciado a sua abdicação, o primeiro aniversário do imperador japonês Akihito, de 84 anos, levou uma quantidade recorde de pessoas ao Palácio Imperial em Tóquio, para homenagear o imperador. Nesse dia o Palácio Imperial é aberto ao público e também é feriado nacional no Japão.

Com bandeirinhas japonesas nas mãos e também celulares para registrar o momento com fotos e filmagens, a multidão saudou o imperador Akihito quando ele apareceu em uma varanda, junto de sua esposa e outros integrantes de sua família. No Japão, o imperador é uma figura cerimonial e não possui poder político.

Segundo a Agência Imperial, foram mais de 52.000 pessoas que compareceram ao Palácio Imperial para participar deste evento, um número recorde desde que o imperador Akihito assumiu o reinado simbólico, há 29 anos atrás. Essa época é conhecida como era “Heisei”, que quer dizer “alcançar a paz”.

O imperador em suas palavras mencionou que os seus pensamentos estão com aqueles que padeceram com as chuvas intensas e com tufões, e também com as vítimas do terremoto e do tsunami de 2011, que matou e removeu milhares de pessoas da costa leste no Japão, e que ainda estão sofrendo com toda essa situação.

O imperador Akihito juntamente com a sua esposa, a imperatriz Michiko, passou grande parte do seu reinado debatendo a herança deixada pela Segunda Guerra Mundial, que aconteceu enquanto o seu pai reinava no Japão, o imperador Hirohito. Ele também consolou e ajudou milhares de pessoas que sofreram com desastres, como por exemplo o que aconteceu em 2011, na costa leste do Japão.

No Japão, o Conselho Imperial da Família formado por dez integrantes, aprovou recentemente com  a abdicação do imperador,  que acontecerá em 30 de abril de 2019. O Trono de Crisântemo vai ser assumido pelo seu filho primogênito, o príncipe Naruhito.

O imperador Akihito declarou que passaria o restante do tempo do seu reinado exercendo as suas obrigações, além de promover a preparação para o seu sucessor. Depois de passar por uma cirurgia no coração e por um tratamento de câncer de próstata, o Japão sancionou uma lei concedendo uma permissão específica para o imperador Akihito abdicar do cargo, porque a lei do país não prevê abdicação por parte do imperador. O último caso de abdicação de um imperador no país, aconteceu há duzentos anos atrás.